fbpx

Vamos ser realistas, ainda não é possível prever o fim da pandemia que estamos enfrentando, tão pouco, como será o mundo, de fato, quando tudo isso acabar. Mas o que percebemos nesse momento é como a loja 4.0 reinventou o varejo e tem sido um diferencial do setor nessa fase. Se você não sabe do que estamos falando acompanhe esse artigo até o final.

 

Já que não somos capazes de prever o futuro, o mais indicado é trabalhar com o presente e com o que vem funcionando nesse novo cenário. Estamos falando aqui do comportamento de consumo que já vinha em um processo de mudança e que ganhou força com o surgimento do coronavírus. 

 

Mas falamos também da virada de chave que uma parte das empresas já tinha adotado em seus processos internos, logísticos, administrativos, financeiros e de comunicação com toda sua cadeia, desde colaboradores até fornecedores e clientes. 

 

O conceito de loja 4.0 tem se mostrado eficaz no enfrentamento da crise e até possibilitado a tomada de decisões e mudanças de posturas sem um impacto tão drástico na rotina das empresas que já fazem parte desse grupo. 

 

Se você, empresário, já se considera um empreendedor 4.0 talvez possa se surpreender com a quantidade de possibilidades que esse mundo oferece. Já, se o seu caso é o oposto, e o seu negócio ainda funciona na realidade antiga, digamos até, analógica, saiba que se atualizar pode ser muita mais fácil do que se imagina.

 

O QUE É UMA LOJA 4.0? 

 

Esse conceito foi desenvolvido e é utilizado para lojas que investem no uso da tecnologia em seus processos diários, com o objetivo principal de integrar os setores da empresa, otimizando o trabalho e melhorando a experiência do cliente. 

 

Assim como muitos nichos mercadológicos se beneficiam com o desenvolvimento de novas ferramentas, o comércio varejista não poderia ficar de fora. Afinal, como mencionamos anteriormente, o modelo de consumo já vinha se transformando com consumidores, exigindo cada vez mais agilidade, conforto e qualidade em suas compras. 

 

Atingir em larga escala toda essa demanda, não seria possível sem a absorção tecnológica das empresas e em toda a cadeia do negócio. Ou seja, quando falamos em uma loja 4.0 estamos nos referindo à tecnologia pura, a serviço do desenvolvimento sustentável de uma empresa. Gerando também, novas oportunidades de compras que passam a migrar cada vez mais rápido para o mercado online, ou seja, compras pela internet. 

 

E com a chegada da crise em decorrência do Covid-19, ficou ainda mais latente a necessidade de transformação e adaptabilidade do varejo para atender a população que não pode sair de casa e ir até as lojas físicas consumir. E isso não se trata só de serviços essenciais, mas de todos os insumos que são comercializados diariamente. 

 

Em resumo, o varejo 4.0 é a prova de que crises servem também para impulsionar mudanças, investimentos, desenvolvimento e reais possibilidades de crescimento, tanto financeiros, como de posturas e visões de mercado. E é por tudo isso, que ela é considerada a reinvenção do varejo. 

 

VEJA ALGUNS EXEMPLOS DE LOJAS 4.0 

 

“O Magazine Luiza é um dos exemplos de varejistas que têm oferecido uma ampla variedade de serviços ligados à venda de seus produtos.

 

A Riachuelo vem com um modelo integrado e alinhado de negócios, apresentando como um de seus grandes diferenciais as atividades financeiras, com um espaço que busca sempre criar novas condições de geração de lucros e resultados.

 

Já a Nike e a Havaianas são marcas que se transformaram em varejo, personalizando os produtos como forma de particularizar a oferta e aumentar as margens de lucro.

 

A loja 4.0 foi criada devido à necessidade de oferecer novas possibilidades de aquisição de produtos e serviços, obrigando as marcas do varejo a reconsiderar o modo de atuação em suas lojas, trazendo mais informação, entretenimento, inovação e praticidade para seus consumidores.” – Fonte site Capital Doc Brasil. 

 

CONHEÇA ALGUMAS SOLUÇÕES DO VAREJO 4.0 

 

DESENVOLVA UM E-COMMERCE  

 

“O e-commerce nada mais é a abreviação em inglês de electronic commerce, que em português significa comércio eletrônico. Em resumo é um modelo de negócio que tem como objetivo central viabilizar o comércio de produtos através de plataformas eletrônicas como computadores, smartphones, tablets, entre outros dispositivos utilizando a internet como ferramenta de comunicação.

 

O E-COMMERCE É PARA TODOS? 

 

Se você é um empresário do ramo de varejo, ou seja, que vende qualquer tipo de mercadoria, o e-commerce é para você. É possível adaptar o seu ponto de venda físico para uma loja virtual, sim! Basta apenas investir em conhecimento e estudo do seu mercado. 

 

Já notamos há algum tempo uma mudança de comportamento em relação ao consumo de produtos pela internet. Então, se você ainda não havia olhado para esse novo consumidor, está também é a oportunidade de abrir mais um braço do seu negócio, que poderá lhe trazer muitos benefícios.” – Se você quiser mais informação sobre dicas para abrir uma loja virtual acesse o artigo da Solutta

 

 

INTEGRE SEUS CANAIS DE VENDAS COM O OMNICHANNEL

 

“De acordo com o Sebrae o Omnichannel é uma tendência do varejo que se baseia na convergência de todos os canais utilizados por uma empresa. Trata-se da possibilidade de fazer com que o consumidor não veja diferença entre o mundo online e o offline.

 

O omnichannel integra lojas físicas, virtuais e compradores. Dessa maneira, pode explorar todas as possibilidades de interação.

 

Essa tendência é uma evolução do conceito de multicanal, pois é completamente focada na experiência do consumidor nos canais existentes de uma determinada marca.

 

Como exemplo, há os aplicativos móveis, que combinam o layout do site com a temática interna das lojas físicas. De forma prática, isso propicia ao consumidor utilizar todos os canais disponibilizados pela organização e a quebra das barreiras entre o mundo físico e o digital.

 

Por meio da integração de canais, o consumidor satisfaz suas necessidades onde e quando desejar, no momento mais confortável para ele, não havendo restrições de local, horário ou meio.” – Trecho do artigo TECNOLOGIA NO VAREJO: COMO A GESTÃO INTELIGENTE TE AJUDA A LUCRAR MAIS

 

NÃO ESQUEÇA DE OLHAR PARA O SETOR FISCAL DA SUA EMPRESA

 

Lembre-se que quando falamos em otimizar a experiência do cliente, não estamos nos limitando ao processo de compra e venda direta de mercadorias. Ser um varejo 4.0 ou inteligente requer investimentos também na área administrativa, fiscal e tributária do seu negócio.

 

Afinal, o pagamento de tributos e obrigações fiscais é fundamental para garantir que sua empresa se mantenha em pé e dentro das conformidades legais exigidas pelo governo e pelos órgãos fiscalizadores. 

 

Aqui podemos citar a implementação de softwares de revisão tributária, cadastro de produtos e calculadora fiscal. Todas as tecnologias que foram desenvolvidas para facilitar a vida do empresário e proporcionar a diminuição de erros e prejuízos financeiros.

 

Ficou curioso para saber mais sobre essa parte do processo que fará toda a diferença nos resultados colhidos por seu negócio? Fale com a Alerta Fiscal e saiba como utilizar cada ferramenta ao seu favor. 

 

OUTRAS FORMAS DE APLICAR O CONCEITO 4.0 EM SEU NEGÓCIO

 

Conheça também algumas outras maneiras de transformar a sua empresa em 4.0:

 

  • disponibilizar wi-fi para os clientes na loja;
  • utilizar Big Data para mapear o comportamento dos consumidores;
  • aumentar a presença nas redes sociais;
  • implementar câmeras com sensores de calor para mapear o fluxo de clientes;
  • utilizar aplicativos de geolocalização;
  • investir em realidade aumentada para melhorar a experiência dos clientes;
  • utilizar software de gestão para melhorar o atendimento e as vendas.

 

CONCLUSÃO 

 

O varejo 4.0 já era uma realidade antes do coronavírus e agora se consolida e se torna cada vez mais indispensável. Se sua empresa ainda não faz parte parte dessa realidade, não espere mais. E lembre-se que há sempre algo que pode ser agregado para melhorar seus resultados. Invista já!

 

Por Atracto


 

Você também pode gostar do artigo 5 DICAS PARA APRIMORAR A GESTÃO DO SEU MINIMERCADO